Câncer ao vivo com seus filhos.

Os casos de câncer já são tão comuns que quase todas as famílias são afetadas. E dentro dessas famílias, temos filhos, filhos ou netos, que também aprenderão a conviver com essa doença. Mas qual atitude está correta?

Essas recomendações são resultado do trabalho dos doutores Landry-Dattée (psicanalista) e Delaigue-Cosset (anestesista), que organizam oficinas de apoio a crianças cujos pais sofrem de câncer há dez anos. Segundo eles, os erros que devemos evitar cometer como pais são os seguintes:

Não falar, uma vez que intensifica o desespero. Encontrar palavras para qualificar o sofrimento permite passar do estado emocional para o pensamento, o que parcialmente alivia a ansiedade da criança e do pai ou mãe.

MentindoAs crianças são construídas como pessoas com a confiança total que têm nos pais e, se a perderem, a imagem ideal dos pais entra em colapso, e será muito difícil reconstruí-la.

Chantagem para curar ou frases infelizes como "Se você trabalha bem, se você se comporta bem, se você reza ... Mamãe será curada", "Você está me esgotando", "Você vai acabar me matando" ... Eles são inúteis e terrivelmente culpados.

Proibir As crianças vão ao hospital: realidade, coisas concretas, coisas tangíveis as tranquilizam.

• Deixe as crianças ocupar o papel do pai ou mãe doente, ou pior, pedir por ele: pedidos de ajuda em casa, de participar de tarefas diárias não devem ser mais importantes (ou menos) do que aqueles que são normalmente solicitados.

 

Fonte: Carnet de bord d'une crabahuteuse e Hélène Bénardeau.

Ainda sem comentários.

Deixe um comentário

Pode também interessar-lhe